Político e Ministro de Bolsonaro, Sergio Moro veio à Paraíba para intimidar STJ?

De todo apoio político que o Gaeco da Paraíba recebeu até hoje, nenhum certamente se equipara, sobretudo em termos simbólicos, ao apoio que o político e Ministro da Justiça, Sérgio Moro, manifestou hoje aos nossos independentes promotores.

E olhe que o rol desses apoios é grande, incluindo desde políticos de imaculada trajetória, como Cássio e Pedro Cunha Lima, Ruy Carneiro e Luciano Cartaxo, a ícones da imprensa apartidária e honesta, como Nilvan Ferreira – sem falar nas dezenas de jornalistas paraibanos que não jamais dispensaram uma teta pública, apesar de viverem a criticar a corrupção.

Segundo um dos blogueiros oficiais da Operação Calvário, Suetoni Souto Maior (leia aqui), jornalista do Sistema Paraíba, a Globo daqui, o Ministro da Justiça de Jair Bolsonaro fez uma visita “fora da agenda oficial” para manifestar “apoio ao trabalho do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba (MPPB).”

Talvez não tenha sido por acaso o jornalista ter lembrado que a “vinda de Moro à Paraíba ocorre um dia antes de o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgar o recurso do Ministério Público contra decisão que resultou na soltura do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), no ano passado.”

O Ministério Público recebe um político, que resolve fazer uma visita política, com a intenção deliberada de produzir um fato político. Isso cheira muito mal, mas, assim como nos acostumamos a conviver com a podridão dos matadouros, ou dos esgotos a céu aberto, o Brasil vai naturalizando esses absurdos.

É bom não esquecermos que a Constituição Federal (artigo 127, § 1º) estabelece que o Ministério Público e funcionalmente independente, principalmente em relação aos governos. Por isso, ele deve atuar sem a interferência de nenhum ente do Estado.

Por isso, causa imensa estranheza que o Ministério Público da Paraíba aceite ver sua imagem associada a um ministro, a qualquer ministro, mas sobretudo a um que ostente a trajetória de Sérgio Moro, cujo comportamento como juiz é a negação de uma Justiça não-partidária.

E às vésperas de um julgamento no STJ que envolve um adversário político tanto de Sérgio Moro quanto do seu chefe, Jair Bolsonaro. Sergio Moro pretende intimidar a Corte?

Na semana passada, o Procurador Geral da República, Augusto Aras, criou um grupo semelhante ao Gaeco para atuar no MPF – expero que não seja para perseguir os adversários do presidente, já que Aras foi nomeado por Bolsonaro para ser a “rainha” no tabuleiro político do governo.

PS: O político e Ministro da Justiça, Sérgio Moro, abriu um espaço na agenda para uma visita à sede da PF, em João Pessoa, onde concedeu uma entrevista à imprensa. Ele talvez tenha sido lembrado que tem deveres funcionais, além de fazer política.

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: