Machismo: quem tem medo de Amanda Rodrigues?

Foi só o ex-governador Ricardo Coutinho mencionar, na live em que foi entrevistado, ontem, por Wellington Farias e Eloise Elane, a possibilidade da candidatura de Amanda Rodrigues à prefeitura de João Pessoa, para o bueiro do machismo ser destampado e seu odor fétido ser espalhado no ar, através das  ondas de rádio, no caso, da Rádio Arapuã.

Ao comentar sobre a live de ontem (o que, por si só, já é uma demonstração da relevância política de Ricardo Coutinho porque, como dizem os gaúchos, “não se gasta pólvora com chimango”, o radialista Clilson Jr. usou todo seu tempo para atacar Amanda Rodrigues, entre outras coisas, colocando em dúvida sua competência à frente da Secretaria de Finanças, e até mencionando relacionamentos passados da esposa de Ricardo Coutinho.

Será que Clilson Jr. usaria esses argumentos se Amanda Rodrigues fosse homem? Tenho minhas dúvidas.

Ao questionar a competência de Amanda Rodrigues, o radialista esqueceu que, quando ela assumiu a Secretaria de Finanças, em 2016, o Brasil vivia o auge de uma crise econômica que afetava fortemente as finanças públicas.

Ou seja, a administração de Amanda Rodrigues à frente da Secretaria de Finanças foi determinante para que a Paraíba não só atravessasse a crise sem sobressaltos – por exemplo, pagando os servidores em dia – como permitiu que o o governo estadual continuasse a investir e inaugurar obras. Quando Ricardo Coutinho entregou o cargo para João Azevedo, havia mais de R$ 300 milhões em caixa!

Mais uma vez eu pergunto: se Amanda fosse homem, sua competência seria questionada, sobretudo se ele tivesse a seu favor esse invejável portfólio administrativo? Aliás, a administração do atual secretário de Finanças é um desastre e jamais foi criticado. Por que é homem?

Isso para não falar da canalhice de mencionar o ex-marido de Amanda Rodrigues, como se esse detalhe da vida pessoal da ex-secretária pudesse medir sua competência de administradora pública. Mais uma vez, cabe a pergunta: se Amanda Rodrigues fosse homem, mereceria essa lembrança?

Ou o que se valoriza naquele programa da Arapuã é o recato hipócrita dos beatos recém convertidos?

São dois tipos de medo. O medo machista que, como já escreveu Eduardo Galeano, “é o medo dos homens das mulheres sem medo”. E bem resolvidas.

E o medo de Ricardo Coutinho, que eles pensavam morto para a política. Porque o ódio que boa parte da nossa imprensa nutre por Ricardo Coutinho, é proporcional ao medo que sentem do ex-governador. E esse ódio se estende a parentes, aliados e os ex-assessores que não o abandonaram.

E o mais irônico nisso tudo é que quem lançou Amanda Rodrigues candidata a prefeita de João Pessoa foi essa parte da imprensa paraibana. Ela jamais disse que é ou que será candidata.

Além do mais, o PSB é o único partido que conta com três opções de peso para a prefeitura: além de Amanda Rodrigues, que está sendo empurrada para a disputa pelo falatório especulativo da impensa, o deputado federal Gervásio Maia e Ricardo Coutinho, que hoje é uma reserva estratégica de luxo que pode ser usada na eventualidade de sua candidatura se tornar uma necessidade política.

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: