Walter Santos, o Louro José de Nonato Bandeira e João Azevedo

Walter Santos é um jornalista sui generis. Quer um exemplo? Nem o hábito diário de escrever, um dos atributos que define a profissão de jornalista em qualquer área, fez com aprendesse o ofício. O que sempre foi para mim um verdadeiro mistério, porque pelo menos técnicas de redação o estudante de jornalismo aprende na universidade.

Na maior parte das vezes que me vi obrigado a visitar o WSCOM para ler a coluna do “multimídia” Walter Santos, como ele gosta de ser chamado, deparei-me com um esforço de eloquência vazia, raciocínios tão labirínticos e desconexos que tornam leitura dos seus textos um ato de paciência.

Ontem, depois de exercitar o que ele mais sabe fazer, no caso atual, cumprir a tarefa que lhe foi reservada pela Secom estadual, nos esforços diversionistas na forma de matéria (?) jornalístico – a última mentira foi dizer que Gregória Bernário, do PCdoB, havia sido convidada por Ricardo Coutinho para a ser sua vice, convite que Ricardo Coutinho jamais fez.

Quando Tião Lucena em seu blog expôs a fake news, Walter Santos desandou a atacar os “pitbulls” de Ricardo Coutinho por terem mostrado que ele é um propagador de mentiras em seu site para agradar João Azevedo. Numa ridícula “nota da redação” escrita por ele mesmo, Walter Santos diz que o site “reagiu com dados e informações comprovadas confirmando que os ‘pitbulls ricardistas’, na realidade da conjuntura política de João Pessoa” – quem nas redações de João Pessoa escreve realidade da conjuntura política, a não ser Walter Santos?

Aí, você vai em busca dos tais “fatos e informações comprovadas” e não encontra absolutamente nada, a não ser o vazio de sempre, além de ameaças veladas.

Pelo contrário. Nesse caso, foram os próprios fatos que evidenciaram o cinismo e a mentira do jornalista, quando o próprio WSCOM teve de noticiar que tanto estavam em curso conversas com o PT local e nacional para que o partido indicasse a indicasse vice na chapa de RC, como Antônio Barbosa tinha sido, aí sim, convidado pelo ex-governador.

E para o WSCOM, la nave vá. Nenhum pedidos de desculpas, sequer o reconhecimento de que errou ao noticiar que Gregória Bernário havia sido convidada por Ricardo Coutinho.
Ora, uma notícia desmente a outra, qual seria a atitude correta de um jornalista de política sério?

Reconhecer o erro, pedir desculpas e dizer que vai se esforçar para não voltar a repetir. Mas, seria o ingenuidade demais de minha parte acreditar que Walter Santos agiria como manda o código de ética dos jornalistas.

Mas, Walter Santos está a serviço de uma causa, que não é causa de informar bem a sociedade, mais ainda em tempos de eleição.

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: