Foto de Ricardo com Lula mostra pelo menos uma coisa: que Ricardo está onde sempre esteve

Bastou a publicação (veja acima) em suas redes sociais de uma das tantas fotos que o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, tirou ao lado do ex-presidente Lula, para colocar a política paraibana de ponta cabeça e desorientar de vez os nossos “analistas políticos”. Não faz um mês, todos lembram, esses mesmos “analistas” anunciavam a filiação de RC ao PDT.

A publicação da foto é reveladora de pelo menos duas coisas: ela confirma que Ricardo Coutinho estará ao lado de Lula na eleição do ano que vem e que Ricardo Coutinho continua sendo uma peça-chave na montagem do tabuleiro eleitoral do próximo ano, sobretudo depois da completa desmoralização da Lava Jato e do lavajatismo, que se revelam pelos percentuais crescentes que Lula obtém a cada pesquisa, sobretudo no Nordeste — enquanto isso, o presidente que deve o mandato à Lava Jato e a Sérgio Moro desliza para dentro do buraco da impopularidade, cada ver maior, e dependente do apoio do Centrão para governar e tentar chegar até o fim do mandato no cargo.

Essas duas constatações terão injunções eleitorais e nas alianças políticas na Paraíba. No caso do apoio do PP a Jair Bolsonaro — o presidente nacional do partido, Ciro Nogueira, vai comandar a Casa Civil, — tende a ter como consequência o apoio de Aguinaldo Ribeiro e Cícero Lucena à reeleição do atual presidente, em razão da gigantesca “capacidade de convencimento” que a principal liderança do Centrão dispõe, agora no principal posto político da República, depois do presidente.

Com o PP definitivamente incorporado ao campo bolsonarista, onde já se encontram Romero Rodrigues e o atual prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, tanto o ex-governador Cássio Cunha Lima quanto João Azevedo podem ficar num mato-se-cachorro.

Sobretudo João Azevedo, que hoje aposta suas fichas na montagem de um palanque amplo, que “dialogue” tanto com o eleitorado bolsonarista quanto com o lulista. Além disso, considerando a Arca de Noé em que se transformou a base política de JA, vai ser difícil acomodar tantos interesses díspares. E tem mais. Se o quadro nacional for mantido, a polarização Lula-Bolsonaro tende a se refletir nas composições e acomodações dos estados, como já aconteceu em 2018 na Paraíba, como bem sabe o governador.

Aqui entra a segunda injunção eleitoral da foto simbólica. A proximidade entre Ricardo Coutinho e Lula — mais do que isso, as demonstrações de lealdade de Ricardo Coutinho a Lula ao longo dos últimos anos, certamente os mais difíceis da vida do ex-presidente, —  associada à grande liderança e capacidade de diálogo do ex-governador, tendem a consolidá-lo como o veio por onde passarão as principais articulações do palanque lulista na Paraíba, sobretudo se RC entrar no PT, como tentam antecipar nossos cada vez mais confusos analistas, que mudam de versão como mudam suas roupas de marca.

O que restará a João Azevedo, além de sua ausência de liderança e um governo medíocre para mostrar ao eleitorado no próximo ano? A máquina do governo do estado. É, mas em 2010, um político com muito maior experiência e prestígio político e administrativo como José Maranhão, também dispunha dessa arma. E, como todos sabem, foi insuficiente.

É aquela história: a esperteza, quando é demais, acaba engolindo o esperto.

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: