Datafolha: Lula cai, Ciro cresce e já empata com petista quando enfrenta Bolsonaro no 2° turno

Pesquisa eleitoral do Datafolha divulgada hoje (17/09) mostra que o quadro eleitoral está estável, mas com tendência de queda de Lula, que foi de 46 para 44 em relação à última pesquisa, queda fora da margem de erro, que é de 2%. Bolsonaro (de 25 para 26) e Ciro (de 8 para 9) cresceram 1%, enquanto Dória e Mandeta caíram (1 e 2 pontos, respectivamente).

No cenário mais provável, hoje, com Dória e sem Mandeta – este último praticamente declarou apoio a Ciro em live do dia 7 de setembro, – o pedetista vai a 11%.

A tendência de crescimento de Ciro pode ser melhor caracterizada se observarmos os números do segundo turno. No Segundo turno, Ciro continua a derrotar Bolsonaro e agora empata, dentro da margem de erro, com Lula. O petista caiu de 58 para 56 (nesse caso, Bolsonaro teria 31).

Já Ciro cresceu 4 pontos, e foi de 48 para 52, ficando, portanto, a 4 pontos do percentual obtido por Lula. Um empate técnico, considerando a margem de erro. Detalhe relevante: no cenário de segundo turno contra Ciro, Bolsonaro caiu de 36 para 33, uma queda fora da margem de erro, portanto.

Isso significa que Ciro Gomes é cada vez mais competitivo como alternativa para derrotar Jair Bolsonaro no segundo turno e tem nesse quesito o mesmo potencial de Lula.

Como alternativa a Lula, o Datafolha testou pela primeira vez, depois de muitos questionamentos, um cenário de segundo turno entre Lula e Ciro. Nesse caso, Lula ganha (51 a 29), mas Ciro mostra também aqui muito mais competitividade do que, por exemplo, João Dória, que foi testado nas últimas duas pesquisas (quando Ciro foi sempre o terceiro lugar): Dória teria contra Lula 22%.

Enfim, a ofensiva iniciada por Ciro Gomes nas redes sociais e em participações em lives, algumas com milhões de visualizações, parece que começa a dar resultado.

É claro que é preciso observar se os números da pesquisa de setembro do Datafolha vão se estabelecer numa tendência:
1. queda de Lula, talvez a um patamar histórico um pouco superior ao 40% (baseado aqui na votação obtida por Lula em 2002 e 2006);
2. avanço lento e gradual de Ciro Gomes até que ele encoste em Bolsonaro lá pra março de 2022;
3. Queda de Bolsonaro em razão do aprofundamento da crise econômica e da ausência de respostas para problemas como alta no preço dos combustíveis, inflação de alimentos, desemprego.

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: