Assinatura de Veneziano garante criação da CPI do Bolsolão do MEC

O escândalo de corrupção no Ministério da Educação pôs a nu um esquema de desvio de verbas e tráfico de influência que pode envolver Jair Bolsonaro diretamente.

Em áudios que a imprensa teve acesso, o ex-ministro Milton Ribeiro disse que pastores aliados tinham prioridades na liberação de recursos do Fundo Nacional da Educação (FNDE). E revelou que isso acontecia por um pedido de Jair Bolsonaro.

O escândalo, que envolveu até denúncias de pagamento de propina barras de ouro, levou à demissão do Milton Ribeiro e um pedido de abertura de CPI, após depoimentos de prefeitos no Congresso, que confirmaram os pedidos de propina.

Hoje, o autor do requerimento, senador Randolfe Rodrigues, informou que o número mínimo para o pedido de abertura da CPI foi atingido com a assinatura do paraibano Veneziano Vital do Rego, que foi qualificado como “combativo” pelo colega do Amapá.

A CPI do Bolsolão do MEC, como já foi apelidada, vai ajudar a acabar com outro “mito”: o que não existe corrupção no governo de Jair Bolsonaro (se é que um dia alguém acreditou nisso).

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: