VIROU ISSO? Simone Guimarães leva servidores da Suplan para plenária do Orçamento Democrático em Campina

A superintendente da Suplan, Simone Guimarães, aprecia ser tratada por “Dama de Ferro”, o epíteto com o qual ficou conhecida a ex-primeira-ministra britânica, Margaret Thatcher. Quando assumiu o governo, a Inglaterra estava em recessão e Thatcher enfrentou com mão de ferro os trabalhadores ingleses que se opunham às reformas neoliberais que ela começou a implementar no país.

Simone Guimarães não tem, por óbvio, um cêntimo da estatura, muito menos da importância histórica de Thatcher. Talvez a alcunha seja mais adequada para descrever a tenacidade com a qual se mantém nos cargos que ocupa, conduzindo como um rebanho os servidores que têm sob sua autoridade.

Foi o que a “dama de ferro” azevedeana fez questão de demonstrar, ontem à noite, na planária do Orçamento Democrático de Campina Grande. Não menos de 20 servidores/as foram levados por ela à plenária campinense. E, claro, foram fotografados de crachá no peito, exibindo sorrisos, alguns evidentemente constrangidos. Como não poderia deixar de ser, Simone Guimarães postou, para o chefe saber, o registro no seu Instagram chamando os servidores da Suplan de “meu super time“.

O Orçamento Democrático foi criado para ouvir a sociedade civil da maneira mais ampla possível. Não faz sentido, portanto, transformá-lo em um comício, para onde são levados servidores comissionados, que não farão outra coisa, principalmente sob a vigilância da chefe, a não ser seguir ordens, sobretudo quando o governador está presente. A dúvida que inevitavelmente emerge é essa: outros secretários estão fazendo o mesmo?

A auto-promoção provinciana de Simone Guimarães pelo menos foi útil para revelar o quanto esse instrumento de democracia participativa, o Orçamento Democrático, criado no governo de Ricardo Coutinho, está se burocratizando e se convertendo numa mais peça de propaganda do que em um canal de expressão livre do povo, afogado pelo tradicionalismo conservador de João Azevedo e dos que hoje o rodeiam e mandam no governo.

Simone Guimarães não está nesse seleto grupo, caso contrário, não precisaria de expedientes como esses para chamar a atenção do chefe.

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: