PRIORIDADE DE VENEZIANO E LULA É COMBATER A FOME: 63,9% das famílias convivem com algum tipo de restrição alimentar na Paraíba; 10,6% passam fome!

O único candidato a governador da Paraíba que tem insistido na necessidade da retomada de políticas mais eficientes de combate à fome e à pobreza no estado e no país inquestionavelmente é Veneziano Vital do Rego, do MDB. Não apenas essa questão consta com grande destaque em seu programa de governo como ele sempre faz questão de destacá-la tanto em sua propaganda eleitoral como nos debates com os outros candidatos.

Estudo publicado pela Rede PENSSAN (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional) sobre insegurança alimentar dão razão à prioridade que Veneziano aponta. Entre novembro de 2021 e abril de 2022, foram pesquisados 12.745 domicílios distribuídos em 577 municípios dos 26 estados e do Distrito Federal. Na Paraíba, o total de domicílios avaliados foi de 500.

O resultado da pesquisa foi publicado em relatório intitulado II Inquérito Nacional da Insegurança Alimentar no Brasil no Contexto da Covid-19, e suas conclusões evidenciam que a Insegurança Alimentar “se agravou de modo assombroso” no Brasil, fato que também está relacionado à ausência de dados oficiais, ou seja, de estudos permanentes, que permitam orientar a decisões no âmbito, sobretudo, dos governos estaduais, o que é atribuído ao “negacionismo científico” que é uma marca do atual governo federal, cujo efeito é negligenciar a elaboração de políticas públicas, que também tem um papel de coordenar ações entre os estados, numa repetição do que vimos acontecer durante a pandemia de Covid-19.

Segundo o estudo, apenas 36,1% das famílias paraibanas vivem em segurança alimentar, o que quer dizer que nada menos que 63,9% das famílias paraibanas convivem com algum tipo de restrição alimentar; para nossa tristeza, 10,6% passam fome! Esse percentual de 36,1% da Paraíba está abaixo da média nacional, que é de 41,3%, e é quase 15% menor que a média do vizinho estado do Rio Grande do Norte, que tem mais da metade de sua população em situação de segurança alimentar (51,2%).

Os números da Paraíba devem ensejar grande preocupação para o futuro governo: na Paraíba, quase 40% (39,2) das famílias sobrevivem com renda de até meio salário mínimo (R$ 606,00) (p. 24). Se dobrarmos a faixa de renda para um salário mínimo, esse percentual chega a 71,2%! A situação se mostra ainda mais dramática quando nos defrontamos com esses dados: 59,1% e 61,5% das famílias com rendimentos de até meio salário mínimo receberam Auxílio Emergencial e Auxílio Brasil (p.25). Essa obviedade não escapa, claro, aos pesquisadores quando afirmam que “a renda familiar se destaca como um forte condicionante da capacidade de acesso aos alimentos” (p. 21).  

O estudo classifica a insegurança alimentar em três níveis: leve, quando há incerteza quanto o acesso a alimentos ou quando a qualidade da alimentação já está comprometida; moderada, quando a família não se alimenta na quantidade suficiente para matar a fome; e grave, quando há fome. No caso da Paraíba, a pesquisa constatou que 21,6% das famílias paraibanas vivem em insegurança alimentar moderada e grave, e 10,6 passam fome (p. 34). Mais grave ainda: nos domicílios onde moram menores de 10 anos, dois terços (66,3%) sofrem com insegurança alimentar, sendo que 33,8% moderada ou grave (p. 50).

Enfim, a situação é de urgência e que merece um tratamento prioritário no próximo governo. Veja as proposta de Veneziano para o combate à fome.

Publicado por Flavio Lucio Vieira

Professor do Departamento de História da UFPB, doutor em Sociologia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: